Cristina Amaro
Está a ler

Vamos lá parar de agredir a pele?

3
A vida

Vamos lá parar de agredir a pele?

Vamos lá parar de agredir a pele?

Joana Nobre, fundadora Crème de la Crème

A literacia na área da cosmética é cada vez maior. O interesse pelos temas relacionados com a pele e o bem-estar tem aumentado e é acompanhado pelo maior investimento em cosméticos que estamos dispostos a fazer para parecermos melhor, apesar de quase sempre, menos ser mais no que à pele diz respeito.

Muitas vezes, a vontade de alcançarmos o nosso objetivo rapidamente é tão forte, que fazemos alguns erros que comprometem inevitavelmente a saúde e a beleza da pele. 

A pele é o maior órgão do nosso corpo. É viva, vital e variável. Este órgão dinâmico tem como função principal a proteção do meio interior contra as toxinas, a radiação e os microrganismos do meio ambiente, e essa capacidade só é assegurada se a sua integridade existir. 

Assistimos hoje em dia a um uso excessivo de produtos cosméticos e gadgets agressivos: esfoliantes físicos e químicos, e outros produtosdemasiado sensibilizantes como os que contêm retinol (ou outros derivados da vitamina A) e hidroxiácidos que, quando usados em excesso ou porque simplesmente não são indicados para a nossa pele,alteram a nossa microbiota e o nosso filme hidrolipídico protetor.

Uma barreira danificada não pode manter os componentes bons da pele de que tanto precisamos, tais como os ácidos gordos, o colesterol e as ceramidas. Consequentemente, a pele fica áspera, desidratada, sensível e com aparência baça. 

Felizmente, a indústria da beleza está cada vez mais interessada na função barreira da pele. Pode parecer um pouco contraditório ver a indústria de cuidados com a pele exaltar a proteção da barreira depois de anos a promover ingredientes que a alteram, mas na realidade a dose faz o veneno e há lugar para tudo, com conta, peso e medida. 

O novo minimalismo de beleza é essencial para todos nós, por vários motivos. Simplificar as rotinas é absolutamente necessário. É preferível ter bom e menos, do que uma panóplia de produtos que, no seu todo, muito provavelmente, não nos farão assim tão bem. Basicamente,queremos uma rotina de pele com bom gosto, elegante e sem esforço na aplicação, como a Totême, a The Row e a Acne Studios estão para a moda.

Procure ingredientes que reparam a pele, tais como ceramidas, centelha asiática, alantoína, niacinamida, glicerina, ácido hialurónico, pré e posbióticos – todos ajudarão a restaurar a função barreira da pele. Mas,procure-os primeiro no seu espólio cosmético, porque o que eu não quero é que compre novos produtos em nome da sua barreira. Trata-se de fazer menos, não mais, e entender que um bom cuidado com a barreira engloba também usar água tépida (água a ferver nem no chá) e aplicar os produtos com gentileza e moderação.

Em termos práticos e realistas, isso significa usar um cuidado mais forte à noite, mas que seja confortável, e não como lava vulcânica na pele. Um esfoliante, apenas uma vez por semana ou até mais espaçadamente. Significa limpar a pele de manhã e à noite com cuidados suaves, e aplicar um hidratante ou antioxidante de manhã, seguido sempre deprotetor solar, mesmo que pense que não vai precisar. E, por último, evitar tocar na pele do rosto mil e uma vezes ao dia.

Deixe uma resposta

Follow @ Instagram

Siga-me!