Cristina Amaro
Está a ler

Um livro que o ajuda a gerir pensamentos negativos

2
As pessoas

Um livro que o ajuda a gerir pensamentos negativos

Um livro que o ajuda a gerir pensamentos negativos
César Ferreira
César Ferreira, Mentor de Autor

Consideremos, antes de mais, que a palavra “diabo” representa a série de pensamentos negativos que cada um de nós tem e que, assumidamente, não pretende implicar o carácter religioso que a mesma possa denotar. Por outro lado, vamos associar a “porta” à da nossa casa interna que, neste caso, apresenta-se como sendo a nossa mente.

Portanto, o pensamento negativo bateu à porta da minha mente e deixei-o entrar. E fê-lo com pezinhos de lã, astúcia e até alguma elegância.

Quero que também perceba uma coisa: este não é um texto em que explico o segredo para evitar os pensamentos negativos, nem tampouco a varinha mágica que procura para tal. No entanto, talvez seja uma forma de os relativizar e, com isso, aperceber-se que ter pensamentos negativos é sempre mais vantajoso do que viver com a ausência de pensamentos.

Como permitimos que o diabo entre nas nossas casas?

Dificilmente conseguimos controlar os pensamentos que nos surgem, ora por estarmos distraídos, ora pelo facto de, na origem de um pensamento, estar um gatilho que não identificamos. Somos literalmente “apanhados na curva” e, quando damos por nós, já estamos envolvidos num imbróglio de pensamentos e emoções que muitas vezes nos desconstroem e fazem ver o lado negro da vida.

Na origem de um pensamento negativo podem estar várias coisas, sendo que uma delas é o medo. O medo de perder alguma coisa, o medo de ser magoado, o medo de morrer, o medo de não ser amado. Certamente que há tantos medos para outros tantos pensamentos negativos. O catálogo dos medos é tipo as Páginas Amarelas da existência.

O medo faz parte da natureza humana. É o que nos permite ter consciência do perigo e agir perante uma situação desse tipo. Aventuro-me então a dizer que o medo é importante para a nossa vida. Assim, talvez a questão não seja renegar o medo, mas perceber por que razão determinada situação nos dá medo.

Dedicar a grande fatia da nossa vida aos pensamentos negativos poderá ser uma fantástica maneira de viver em estado de infelicidade. Por isso, é deveras importante que se faça alguma coisa. Mas o quê?

Julgo que aqui entraria a fórmula mágica mas, como já afirmei, não a tenho. Cada um de nós é um mundo e tem a sua própria linguagem hipnótica. Há uma conversa que temos connosco na nossa intimidade. Todavia, se me permite dar-lhe um conselho: comece por se escutar. Tome atenção às palavras que utiliza, à forma como se trata.

Os pensamentos refletem esse diálogo e, a meu ver, será necessário começar por aí: alterando a forma como falamos de nós para nós. Sermos bondosos, pacificadores, seletivos e não ouvir tudo o que o diabo diz, pode se tornar verdadeiramente transformador e libertador.

Sem querer vou dando pistas de como pode lidar melhor com os pensamentos negativos. Garanto-lhe que não era essa a minha intenção, mas, ao partilhar a forma como encaro o caso, sei que pode ser importante para si.

Aceitar que o diabo pode entrar na minha casa é talvez das melhores aprendizagens que tive. E embora possa fazer de tudo para que tal não ocorra, haverá sempre um momento em que irá acontecer. O melhor é mesmo estar preparado para a situação.

Ter consciência deste facto e aprender ferramentas para gerir todo o processo é relevante. O problema é quando nos habituamos a nada fazer e alimentamos algo que não queremos. Um pensamento negativo mantém-se e evolui quando o alimentamos consciente ou inconscientemente. Eu, por exemplo, escrevo e leio para quebrar esse ciclo.

Sabendo que “o diabo está sempre à espreita” e que, a qualquer momento pode entrar na nossa casa, talvez o importante seja mesmo investirmos em treinar a nossa mente para saber administrar a maioria das entradas e saídas de pensamentos.

Educar a nossa mente é formar a nossa capacidade de permissão. Ao aumentar os nossos níveis de aceitação e de gestão mental estaremos mais aptos para lidar com “as partidas” que o diabo nos pode pregar. E por vezes ele vai conseguir entrar, noutras nem por isso.

Aceite que pode ser assim.

Prepare-se para quando acontecer.

Tenha noção que, mesmo preparado e totalmente equipado contra todas as malabarismos do diabo, ele pode encontrar uma forma de entrar.

Sugiro que leia o livro Enganar o Diabo de Napoleon Hill. É uma obra em que o autor entrevista o “diabo” para perceber quais estratégias que este usa para entrar na nossa mente.

Se há livro que me ajudou a perceber o meu discurso interno, no que diz respeito à gestão dos pensamentos, este é o que mais me marcou.

O diabo bateu à minha porta e deixei-o entrar, mas não foi por isso que a minha vida acabou. Nem a sua. E pior do que aprender a gerir pensamentos negativos é viver ausente de pensamento e sem critério pela vida.

Um livro que o ajuda a gerir pensamentos negativos

Desejo-lhe momentos inspiradores.

Boas Leituras,

César Ferreira

Mentor de Autor

Deixe uma resposta

Follow @ Instagram

Siga-me!