Cristina Amaro
Está a ler

Tierno: uma ode ao amor

2
As marcas

Tierno: uma ode ao amor

Tierno: uma ode ao amor

Por Cristina Amaro e Alexandra Delgado Figueiredo

Quando falei publicamente acerca do meu problema de saúde, no ano passado, foram múltiplas as mensagens que me chegaram. A da Joana foi uma delas. Cheguei até a partilhar convosco um texto profundamente inspirador que a própria escreveu para o meu blogue (relembrem aqui: https://www.cristinaamaro.pt/na-teia-do-nosso-sucesso/).

Desde aí, fiquei curiosa sobre a sua vida e sobre os seus projetos. Fui procurar saber mais. Descobri o mais delicioso dos projetos: a Tierno.

A Tierno nasceu de um coração de mãe. Significa “ternura” em latim, a essência da marca. Quando o seu primeiro filho, o Francisco Maria, nasceu foi-lhe diagnosticada pele atópica, o que fez com que apenas pudesse utilizar algodão 100% biológico/orgânico, de forma a proteger o máximo possível a sua pele.

Na altura, fruto dessa necessidade, procurou roupas que, por um lado, protegessem a pele sensível do seu bebé e que, por outro, fossem intemporais, com qualidade suficiente para que pudessem passar de geração em geração e contar a história da sua família.

Tierno: uma ode ao amor

A Joana é encantadora. Apesar de não ter formação na área (é advogada de profissão), procurou ela própria desenhar o enxoval do seu bebé. E foi assim que nasceram os primeiros protótipos da Tierno que, naquela altura, foram bordados e feitos à mão pela mãe e pela avó da Joana.

O feedback por parte dos mais próximos foi tão positivo que começaram a incentivá-la a dar asas a este projeto tão pessoal, de forma a que pudesse transformar-se num projeto mais global. Temos dois em um: um projeto que protege a pele sensível dos mais pequenos e também um projeto que preserva o melhor savoir-faire de Portugal.

Tierno: uma ode ao amor
Tierno: uma ode ao amor

Quando perguntei à Joana o porquê de a Tierno ser uma ode ao amor, respondeu-me: “A Tierno é, na sua essência e plenitude, uma ode ao amor ao garantir uma experiência única e diferenciada a cada cliente”.

Cada peça da Tierno é feita pelas melhores artesãs nacionais, com anos de experiência, que dão vida a cada esboço e criam uma obra de arte única e irrepetível, com um nível de perfeição e dedicação irrepreensíveis. Cada detalhe de cada peça da Tierno tem alma. Cada encomenda é minuciosamente preparada à mão e todas as caixas fazem-se acompanhar de um cartão personalizado, de forma a que cada cliente se sinta única e especial.

Este projeto é delicioso não só por ser diferenciador como também pelo seu papel de responsabilidade social, ao dar voz ao trabalho feminino de muitas mulheres portuguesas que, caso contrário, não teriam a possibilidade de ir além fronteiras.

Tierno: uma ode ao amor
Tierno: uma ode ao amor

Qualidade no lugar da quantidade. É este o propósito da marca. Aquele que tanto defendo. E numa época em que a sustentabilidade está tão presente nas nossas vidas, esta ideia faz ainda mais sentido. “Sem dúvida que uma produção massificada nos permitiria ter preços competitivos (quer na negociação de aquisição de matérias prima, quer na produção de cada peça). Se lhe fosse associada a deslocalização da produção para fora do território nacional, o custo de produção de cada peça seria ainda mais competitivo e proporciona peças com um preço final distinto”, explicou-me a Joana. Mas o propósito da marca não é nem será esse.

Tierno: uma ode ao amor
Tierno: uma ode ao amor

A genuinidade da Tierno é o que a torna diferente. É 100 % sustentável por ter uma postura ecologicamente correta, por ser economicamente viável e socialmente justa.

É com ternura que desejo o maior sucesso do mundo a esta marca. Por não ser mais uma. Por ser o que pretende ser, sem ir atrás das massas.

Obrigada, Tierno, pela inspiração!

Tierno: uma ode ao amor
Tierno: uma ode ao amor

Deixe uma resposta

Follow @ Instagram

Siga-me!