Cristina Amaro
Está a ler

Lazy moments

0
A vida

Lazy moments

Lazy moments

Por Cristina Amaro

Há dias foi tema de conversa, ao balcão de uma loja de produtos naturais, a importância do que fazemos e com quem estamos na primeira hora do dia. Se acordarmos com stress teremos um dia de ansiedade. Se acordarmos devagar, estivermos com pessoas que amamos ou fizermos o que mais gostamos, o dia vai correr melhor.

Sou adepta da teoria. Na verdade, já o era há muitos anos sem saber que esta era uma recomendação dos experts em bem estar. Faço muitas coisas por intuição. E esta é uma delas. Um dos meus lemas de equilíbrio na vida é dar a mim mesma o que mais me tranquiliza interiormente. Nem sempre é fácil mas é definitivamente o que deveríamos diariamente conseguir. Em tudo e com tudo.

Lazy moments

Voltei hoje à rotina do trabalho. Ao ritmo acelerado dos dias. Aos compromissos que nos roubam agenda para cuidarmos mais de nós. Mas volto à rotina de fazer o que gosto e o que mais me preenche. Volto à minha empresa, às minhas pessoas, aos meus projetos e desafios. Volto ao que tenho vindo a construir ao longo da minha vida. Também isso devagar. Com muita sustentabilidade. Manter o equilíbrio entre os lazy days das férias e os busy days do regresso ao trabalho é sempre o desafio do pós férias.

Vou procurar manter o máximo de “bocadinhos” para dar continuidade aos meus momentos de lazer das férias de verão. Se conseguir ter um bocadinho para mim, para fazer o que mais gosto, todos os dias, já fico feliz! O que importa é manter o foco num estilo de vida mais saudável, com mais sentido e com maior índice de felicidade. Venha ela de onde vier. A simplicidade das pequenas coisas, por vezes, é mesmo a melhor e a que descomplica o que a vida já tem de complicado. Não estar em contacto com o que nos desagrada na primeira hora do dia faz toda a diferença. E isso é de reter.

Lazy moments

Não se esqueça de encontrar os seus momentos de lazer. Um dos meus é acordar com o nascer do sol e escrever o que me vai na alma. Livre de pressões e de obrigações. Levada, apenas, pelo som do silêncio. Como nasceu este texto e como nascem tantas ideias em mim…

Deixe uma resposta

Follow @ Instagram

Siga-me!