Cristina Amaro
Está a ler

Doença Celíaca: diagnóstico, sintomas e tratamento

0
As pessoas

Doença Celíaca: diagnóstico, sintomas e tratamento

Doença Celíaca: sintomas e tratamento
Beatriz Vieira
Por Beatriz Vieira, Nutricionista na Clínica de Stº  António, Grupo Lusíadas Saúde

A doença celíaca é uma é uma patologia crónica auto-imune causada por uma sensibilidade permanente ao glúten em indivíduos geneticamente suscetíveis. Caracteriza-se por um estado de inflamação crónica na mucosa intestinal aquando da ingestão de glúten. 

Por sua vez, o glúten é um conjunto de proteínas que se encontra em cereais como o trigo, o centeio e a cevada. Deste modo, o tratamento da doença celíaca consiste na evicção total destes alimentos da dieta.

Diagnóstico e prevalência

A doença celíaca caracteriza-se por uma atrofia das vilosidades intestinais, que conduz a uma diminuição da absorção de nutrientes e a um aumento do risco de outras patologias, como, por exemplo, osteoporose. 

O diagnóstico de doença celíaca deve ser sustentado por vários dados, tais como: história clínica (que inclui os sintomas), testes serológicos, endoscopia digestiva alta com biópsia e teste genético. Estes dados devem ser avaliados por um médico gastroenterologista.

De acordo com a Associação Portuguesa de Celíacos (APC), na Europa, a doença celíaca atinge cerca de 1% da população. Em Portugal, estima-se que também 1% da população seja celíaca. 

Sintomas 

Apesar de ser frequentemente diagnosticada em crianças, alguns meses após a introdução do glúten, esta é uma doença que se pode manifestar em qualquer faixa etária, podendo o diagnóstico ser realizado na idade adulta. 

Os sintomas comuns nas crianças são: a falta de apetite, atraso no crescimento, diarreia e distensão abdominal. Já na idade adulta, anemia, osteoporose, infertilidade e abortos recorrentes, alterações na tiróide e nas análises hepáticas e cansaço crónico são frequentes. 

Tratamento

A dieta isenta de glúten durante toda a vida é o único tratamento para esta patologia. A adesão à dieta a longo prazo é o fator chave para a qualidade de vida do doente celíaco. Neste sentido, é essencial existir um aconselhamento por parte de um nutricionista para a manutenção de uma dieta o mais completa e variada possível.

O conhecimento dos alimentos que contêm glúten e a leitura e correta interpretação dos rótulos dos alimentos são elementos cruciais para o sucesso da terapêutica. Além isso, é necessário ter uma especial atenção para evitar a contaminação cruzada dos alimentos. Cuidados como a adequada higienização das mãos entre a manipulação de alimentos e a não utilização dos mesmos utensílios ou locais de preparação para alimentos com e sem glúten são fundamentais. Fora de casa, estes cuidados devem ser mantidos. 

Deixe uma resposta

Follow @ Instagram

Siga-me!