Cristina Amaro
Está a ler

A Dama da Costa de Cascais

2
As marcas

A Dama da Costa de Cascais

A Dama da Costa de Cascais

Por Cristina Amaro

Os lugares especiais fazem-se com pessoas igualmente especiais. Falo de um hotel e de uma designer de interiores, o Albatroz (onde estive esta semana a gravar a emissão do Imagens de Marca) e a Gracinha Viterbo.

Fiquei fã da Gracinha há uns quantos anos. Primeiro, pelo trabalho que via assinado por ela. Depois, quando trabalhámos juntas num projeto que uniu o Imagens de Marca a um grupo de designers que decoraram o nosso estúdio durante 1 ano inteiro. A Gracinha fez um projeto de que gostei particularmente e a conquista foi igualmente feita pela sua simpatia e envolvência. Ela entregou-se de uma forma especial e ainda hoje me recordo de estarmos as duas no estúdio a preparar as montagens, empolgadas em doses iguais.

A Dama da Costa de Cascais

Desde então a minha relação com a Gracinha ficou diferente. De facto, quando as pessoas nos tocam elas tornam-se especiais. E ela é! Não só pela forma como trabalha mas também pela forma como vê a vida, como a vive e passa os seus valores aos seus filhos.

Voltar ao Albatroz, um hotel que goza de uma localização privilegiada e de charme único e que agora tem a sua assinatura na decoração e arquitetura de interiores, soube-me muito bem. O espaço está ainda mais bonito. A história ganha ainda mais interesse.

Não resisti a partilhá-la aqui porque não é todos os dias que se conjugam estes elementos: um espaço único com uma designer que dá continuidade ao trabalho que a sua mãe, também ela uma designer de referência, iniciou nos anos 80. A Graça Viterbo fez a primeira intervenção profissional de decoração nessa época. A Gracinha coloca agora a sua mão deixando cair pelo meio alguns momentos de renovação feitos de forma espontânea, mas não com trabalho de autor.

A Dama da Costa de Cascais

A Gracinha tem assinado hotéis de renome nos últimos 20 anos. Este contou com 25 profissionais (arquitetos, designers, iluminação, design mobiliário, project managers, desenho técnico, artesãos e pintores decorativos). Renovar o estilo do Albatroz, um marco na hotelaria em Portugal, foi para ela também especial.  

Quando conversei com a equipa do hotel, no dia das gravações, fiquei a perceber que houve uma intenção de revivalismo intemporal da época dourada do Estoril/ Cascais dos anos 40/50, dando palco a traços da Arquitetura de interiores portuguesa incontornáveis, como o azulejo e a pedra de lioz. Todos os interiores foram cuidadosamente desenhados pelo gabinete de Gracinha Viterbo de propósito para o Hotel. Um projeto que teve em desenvolvimento 1 ano e cuja intervenção física teve o recorde de 4 meses e meio na sua totalidade. 

Nós passámos por vários espaços onde a intervenção se fez sentir e partilho alguns desses momentos de bastidores em que cada um deles serviu de inspiração para as nossas gravações. Gracinha procurou ter vários apontamentos de portugalidade nos espaços. E, numa emissão em que tínhamos o têxtil e a inovação como mote, também nós fomos buscar toques, cores e texturas que nos remetessem para esse ambiente. Os tecidos são maioritariamente de produção nacional, como os bordados, linhos naturais, pormenores minuciosos nas bainhas e costuras (até das cortinas!), que transmitem a beleza do que  as mãos portuguesas conseguem fazer. Tudo confecionado no Atelier de Costura Viterbo que apoia mestres portugueses.

O Albatroz merece um regresso com tempo. Para saborear e não somente apreciar em passo acelerado, como foi este meu regresso. Ainda assim, saboroso. Sinto um grande orgulho de ver em Portugal projetos tão bonitos quanto este. “A Grande Dama da Costa Portuguesa”, como já em tempos o Albatroz foi chamado, quer voltar ao seu brilho, classe e estilo clássico renovado.

A Dama da Costa de Cascais

Deixe uma resposta

Follow @ Instagram

Siga-me!